Sindicato dos empregados de Rio do Sul

INDENIZAÇÃO ASSÉDIO MORAL A GESTANTE

Mulher ganha indenização de R$ 22 mil por assédio moral em Santos, SP

Mulher era obrigada a almoçar em pé e foi trancada em sala para se demitir.
Auxiliar estava grávida e criança nasceu de seis meses após problemas.

Mãe comemora com filho o resultado da ação (Foto: Silvio Muniz/G1)

A funcionária de um laboratório de análises clínicas em Santos, no litoral de São Paulo, ganhou uma indenização de R$ 22 mil por assédio moral. A mulher estava grávida e, segundo ela, começou a ser obrigada a realizar trabalhos pesados depois que foi coagida a se demitir e não aceitar essa condição. O bebê nasceu antes do previsto e agora ela espera que outras pessoas não passem pela mesma situação humilhante.

saiba mais

 

A auxiliar de enfermagem e técnica de laboratório Magna Cristina Moraes Cruz Silva, de 44 anos, começou a trabalhar em um laboratório de análises clínicas em 2007. Após o período de experiência, ela ficou grávida e os problemas começaram a aparecer no trabalho. Ela decidiu contar à chefia que estava esperando um bebê. “Eles optaram por não me mandar embora, mas pediram para eu fazer serviços pesados. Tinha que buscar material. Vários funcionários faziam aquilo e colocaram só eu para fazer. Depois, pediram a minha transferência para Praia Grande e sabiam que eu trabalhava em outro lugar de tarde”, conta ela. Por causa dos problemas e da pressão no trabalho, ela diz que começou a ter a perda do liquido amniótico e pressão alta diariamente, já que sempre acontecia alguma coisa diferente que a prejudicava.

Depois de enfrentar vários problemas na empresa, ela conta que a chefe a trancou em uma sala e pediu para que ela assinasse sua demissão. “Me trancaram em uma sala e entregaram um papel onde estava escrito que eu estava me demitindo. Eu não assinei. Quando eu sai da sala, comecei com a passar mal”, lembra a auxiliar de enfermagem. A médica de Magna optou por lhe dar afastamento por gravidez. O bebê dela nasceu meses antes do previsto. “Meu parto era para junho e nasceu em fevereiro. Foi prematuro extremo”, afirma ela. Após a gravidez, ela foi demitida.

Magna considera que foi vítima de assédio moral no trabalho e que isso prejudicou o nascimento do filho. Por isso, quis entrar na Justiça e processar o laboratório de análises clínicas. Ela recorreu ao advogado trabalhista João Rosa da Conceição Júnior, do Departamento Jurídico do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde de Santos (Sintrasaúde).

FONTE. g1.com



 


Mais Notícias

14/10/2014LOJAS COLOMBO 03/10/2014Revista intima 16/09/2014Convenção Coletiva é Lei 16/09/2014Discriminação física VER MAIS

Horário de Atendimento

Perguntas frequentes

Benefícios aos associados

Indicadores Econômicos

Cotação Dólar
Cotação Euro
Bovespa
Salário Mínimo R$ 724,00
Sal.Norm. Conc. R$1.040,00
Sal. Norm. Var. R$ 930,00
23/11/2014 - 19:58
Veja mais

Expediente

Segunda a Sexta-Feira: das 8h às 11h45min e das 13h30min às 17h30min e para homologação: das 14h até 17h ver todas.

Fale Conosco: secriodosul@secriodosul.org.br

Código sindical: 565.164.13066-3 / CNPJ: 85.787.562.0001/80 Sindicato dos Empregados no Comércio de Rio do Sul - Todos os direitos reservados - 2012 -